Delirium por Carlos Patrício

Título: Delirium Autor: Carlos Patrício Editora: Página 42 Data de Publicação: Julho 2014 Páginas: 228

“Desordens. Distúrbios. INSÂNIAS!

Este é o tema de Delirium.

Nesta coletânea de contos o autor preza, sobretudo, pela diversidade e a originalidade. Pois em que outro livro você encontraria realidade virtual, experiência com alucinógenos, assassinos sádicos, debates sobre crenças e religião, um desabafo a la Kafka, e, até mesmo, os infortúnios de uma fofoca? Uma culinária diversificada e bem temperada para todos os paladares.


A minha história de como eu cheguei a esse livro chega a ser até mesmo um pouco… curiosa. Estava um dia rotineiramente entrando no meu facebook pessoal quando o autor me encontrou e me enviou uma mensagem privada falando que tinha encontrado as minhas resenhas no skoob e me perguntou se eu não tinha o interesse de resenhar o livro dele! Bem bacana ver quando as pessoas começam a gostar do que você faz, não é mesmo?

Eu recebi o livro dele em Dezembro, mas ao longo de todo o madness que eu passei nos últimos meses eu só pude pegar ele para ler recentemente. O Delirium é uma coletânea de contos diversos, mas todos eles trabalham com um ponto em comum: o psicológico, pensamentos, frstrações, delírios e insanidades de um ou vários personagens. Assim como eu fiz com O presente do meu grande amor, eu vou fazer a avaliação individual de cada um dos contos, já que eu acho isso seria mais interessante tanto para quem quiser ler esse livro no futuro quanto para o próprio autor em si.

Doutor Sádico | ★★★★★

Pra mim eu acho que não teve forma melhor de começar esse livro do que com esse conto. AI-MEU-DEUS.

Esse conto vai falar da história de um assassino psicopata austríaco que utiliza de elementos de sadismo e de tortura como forma de prazer próprio, e ao mesmo tempo conta o ponto de vista de um dos casos dele de assassinato tanto do lado do assassino quanto da vítima. A primeira coisa que eu tenho que dizer é que se você tem o estômago mais fraco, eu não recomendo a leitura desse conto, porque ele tem momentos de tortura muito gráficos e muito fortes, e se você é uma pessoa que se fica sensível com esse tipo de coisa, eu particularmente falaria para tomar cuidado ao seguir a leitura.

O desenvolvimento deste personagem do assassino foi simplesmente sen-sa-cio-nal. Ele é exatamente como nós imaginamos que é a cabeça de um psicopata: extremamente culto e ao mesmo tempo extremamente louco. É incrível ver o quanto que o personagem usa de trechos de grandes nomes da literatura para falar sobre elementos como delírios, prazer e também faz uma constante discussão sobre religião sobre um elemento neutro – o que de certa forma, eu meio que concordo. -, além de mostrar muito do passado do assassino até o momento que ele encontra com a sua vítima, que é um cristão extremista, em um bar.

“A beleza da mania religiosa é que ela tem o poder de explicar tudo. Uma vez que Deus ou Satã são aceitos como a primeira causa de tudo o que acontece no mundo mortal, nada é deixado à sorte. A lógica pode ser alegremente jogada pela janela.” (Stephen King)

Como eu falei no começo, é super gráfico, tem momentos que me deixou super aflita e super agitada, mas é uma dos melhores contos do tipo que eu já li em um bom tempo, eu adorei e super vou reler esse conto perto do Halloween, ele é perfeito para essa época do ano.

Truco! | ★★★★

É uma história de uma noite casual de truco entre amigos que acaba tendo um evento totalmente inesperado acontecendo com eles. É contada no ponto de vista de um dos amigos, que é meio como um narrador-observador. É um conto onde aconteceu muita coisa em um espaço muito curto de páginas, mas ao mesmo tempo eu senti falta de um pouco mais, queria um pouco mais de suspense!

Agoniado | ★★★★★

É a história de um personagem que sofre com caso extremamente severo de ansiedade descrevendo uma da sua de suas manhãs rotineiras na agitada São Paulo. O estilo de escrita que o autor usou nesse conto pra mim funcionou perfeitamente para mostrar como o personagem se sente: extremamente agitado, sem pausas. Eu me senti agoniada em muitos momentos junto com o personagem e eu acho que, por mais que muitas pessoas possam achar esse conto muito curto, pra mim ele tem o tamanho perfeito, já que na cabeça de uma pessoa que passa por esse tipo de situação o tempo passa muito rápido e muitas coisas acontecem ao mesmo tempo.

Na verdade, só d’eu escrever essa parte da resenha já comecei a ficar ansiosa de novo só de lembrar da história, ai você sabe o quanto que ela conseguiu ser marcante, não é mesmo? *respirando fundo*

Telefone sem fio | ★

Telefone sem fio é aquela típica história onde a namorada trai o namorado, e uma história mal contada acaba gerando uma fofoca de altíssimo nível que acaba se tornando uma enorme bola de neve. Esse tipo de história normalmente não me chama muito a atenção pelo caracter de base de um dos personagens principais, a Mayra. Mas, por conta de um dos eventos que ocorre ao longo da história, ela acabou me cativando bastante para continuar, principalmente em ver o quanto que a inocência e o excesso de confiança pode fazer com que a vida de uma pessoa vire, literalmente, de cabeça para baixo.

Não é dos meus contos favoritos do livro, mas eu ainda assim gostei bastante do final, principalmente.

A questão de todas as questões | ★★★★

Esse com certeza é um conto extremamente polêmico! Ele vai falar de um personagem que sempre procura respostas para absolutamente todas as perguntas na vida, principalmente à aquelas que se tratam de crenças religiosas, ele se diz não acreditar no cristianismo ou em outras religiões e ao mesmo tempo também não acredita no ateísmo.

Eu tive que dar algumas pausas enquanto lia ele, mesmo tendo apenas 50 páginas, por ser um conto que tem muita informação pra ser processada ao mesmo tempo, já que temos dois pontos de vista principais de debate: o personagem principal com uma colega de trabalho, que é cristã extremista; e dele com a sua prima-irmã, que é atéia. O próprio personagem não é capaz de ter uma crença definitiva, o que faz ele ser meio hipócrita e falar coisas que faz ele contrariar coisas que ele falou anteriormente em alguns casos, mas ninguém é perfeito, e ao mesmo tempo não se pode ter a resposta de tudo na vida.

Enquanto eu li esse livro eu não pude parar de lembrar do Richard Dawkins, principalmente de um dos seus livros, o The God Delusion, que eu ainda não li mas tenho certeza que o autor deve ter lido ele para se inspirar durante o desenvolvimento desse conto, já que ele é uma referência muito forte em livros relacionados a religião e ateísmo.

Gostei bastante de ler esse conto mas eu devo dizer que a pessoa tem que tem a cabeça muito aberta para ler ele, ou se não existe uma grande probabilidade de alguém sentir que as suas crenças foram atacadas depois de ler este. Aviso dado!

O outro mundo de Henrique | ★★★

Eu sei que eu tinha dito que o Telefone sem fio era o conto que eu tinha menos gostado, mas infelizmente acabou sendo esse aqui.

Ele vai contar brevemente sobre a vida de uma pessoa que é viciada em jogos online por justamente estar cansada da sua monótona vida de pessoa trabalhadora e casada com filho. Eu acho que nesse conto faltou um pouco mais de páginas, faltou um pouco mais do Henrique fora da vida de WoW que o ator descreveu nesse conto,  já que eu meio que interpretei o vício dele pelo jogo como uma forma de válvula de escape do tédio da sua rotina. Não quer dizer que eu não gostei do conto, de forma alguma! Mas eu senti falta de alguma coisa, mesmo gostando do que eu li.

Pouco antes da virada | ★★★★★

Esse é um dos contos mais curtos do livro, mas ele traz bastante impacto por causa da mensagem por trás. Se eu dizer algo além do fato que ele é contado em prosa e em primeira pessoa eu acho que já vou contar toda a graça dele, mas eu gostei muito e recomendo bastante a leitura.

Lindos Sonhos Dourados | ★★★★

O último conto de Delirium vai falar sobre um garoto chamado Guliver, o primogênito, que se sempre se sentiu vítima do favoritismo do seu pai ao filho mais novo, e essa acumulação de suas frustações ao longo de toda a sua infância até o início da sua vida adulta faz com que, próximo dos seus 20 anos, ele fuge de casa e deixe para trás todos os confortos que tinha, caindo em um buraco negro de tentações que ele acaba encontrando na sociedade.

Eu fiquei bastante frustrada, de forma até positiva, lendo esse conto em alguns momentos, daqueles do tipo “não custava nada tentar falar alguma coisa, arrrrg!”. Favoritismo existe em tudo quanto é lugar, eu mesma sou vítima dele, mas eu nunca que deixaria a minha vida se abalar por causa disso. Principalmente nos pontos que o personagem principal chegou, que literalmente chegou no fundo do poço e só voltou por ironia do destino.

O que me fez dar quatro estrelas pra esse conto ao invés de três foi o final, que foi bem revigorante ver o arrependimento e o sentimento de culpa vindo de ambos os lados da história, e a esperança de um futuro onde teria comunicação. É um conto que é bom para refletir nesse tipo de assunto que o autor trata nele, mas também é um pouco barra pesada quando a pessoa se coloca no lugar do Guliver.

Avaliação: 4/5 estrelas.

E vocês, o que acharam desse livro? Já leram? Tem interesse em ler? Deixe as suas opiniões nos comentários e vamos conversar!

assinatura

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s